14 de junho de 2012

Ser ou não Ser?

Não tenho medo de não pertencer a um grupo, a uma organização, porque já senti-me dissolvendo no tempo, por simples consequência da busca, do querer compreender a que o sentido se aplica. E sabe qual foi minha conclusão? Na natureza não existe expectativa, nosso cérebro que a fabrica; o sentido na verdade é fruto da imaginação humana. Inventamos a ilusão porque não temos com o que nos iludir.

Podem me achar cruel e incompreensível, mas digo que valorizo muito minha estadia nesse sistema palpável, de idéias sistêmicas, simbolos e personalidades, mas realmente, sempre penso em não estar, não ser, porque pra mim, é muito mais simples estar completo quando não se é nada, pois nessa condição, tudo se é. Tenho receio de ser, essa é a verdade. Acho difícil, muito difícil mesmo, entretanto, é a única alternativa, como SER que sou. Acredito que SER seja um experimento, apenas uma experiência, porque na verdade não se é nada. Depois de ser, não seremos. Simplesmente haverá a existência sem dogma, sem denominação alguma.

E acredito que as pessoas se sentem confortáveis sendo, pois criam expectativas para alimentar o ser delas mesmas, com a ilusão de que sempre serão. Ser algo faz o indivíduo criar expectativas e é essa expectativa que o faz ter a ilusão de que estará existindo para sempre. Sempre em atividade, sempre crescendo, nunca falindo, morrendo, deixando de ser. E então, quando essa breve possibilidade surge em seu interior, quando a "dura" realidade que está escondida no seu mais intimo foco de universo bate a porta, o desespero vem. O ser foi alimentado, alimentado, está gigante, que não sobra nada para a realidade do não ser. Do existir sem ser. Do existir sem estar moldado.

A existência de maneira formatada. Quer que eu seja sincera? Eu estou sendo por mera obrigação. Não que isso seja ruim, pelo contrário. A obrigação é necessidade e eu reconheço que tudo o que está acontecendo é pra acontecer, se não, não estaria acontecendo, mas confesso que até penso em acelerar esse processo, porque pra mim, quanto mais eu sou, parece que menos estou existindo.

Não importa que eu já não tenha mais expectativas, pois afinal, a expectativa é o foco que me dá a ilusão de que pra sempre serei; será até melhor, olhando por este ângulo. Existir não lhe dá a ilusão, mas sim, a realidade. Não lhe alimenta expectativas, mas sim, o acaso universal, a lei da natureza. Deixar de ser me faz ter a certeza de que contarei unicamente em existir e só isso já me basta.

1 comentários:

CAMILA disse...

Sinto cada palavra sua como verdade em mim... Mas nunca soube expressar-me exteriormente, é como se fosse um segredo meu comigo! Obrigada pelas palavras.