7 de janeiro de 2010

A Rainha do Crime.

Agatha Christie, a Rainha do crime e da máfia, a Duquesa da Morte. Todo mundo sabe que sou fã desta romanticista dramática, que mergulha no suspense e se perde em seus mundos. Nada mais justo do que escrever um pouquinho sobre ela.

Pra quem não conhece ainda a magnitude de sua mente, seus livros são os mais traduzidos até hoje. Superam a bíblia e as obras de um cara que também sou fã: Shakespeare. Mas o que mais me surpreende em Agatha é o modo com que ela se envolve em seus contos e a vida própria que seus personagens possuem.

Agatha Christie trabalhou em um hospital durante a Primeira e a Segunda Guerra Mundial. Há quem diga que a escritora passava por transes e, durante este período, suas obras foram diretamente influenciadas por conta de sua função como enfermeira. Muitos dos assassinatos e mortes descritas em seus livros foram cometidos com o uso de veneno ou medicamentos, os quais eram de uso mortal. E quem já não ouviu falar em Mary Westmacott e Hercule Poirot? Personagens que “conversavam” com Agatha, segundo a mídia da época, dizendo quando e como gostariam de morrer.

Em sua obra "Cai o Pano", a autora resolve narrar a última aventura de Hercule Poirot, alegando que deveria matar o seu personagem predileto para evitar publicações que ela não aprovaria, quando morresse - Logo após a "morte" de Poirot, Agatha Christie falece. Num outro caso semelhante, quando a autora fora encontrada após um misterioso desaparecimento em 1926 – a causa teria sido conflitos com seu marido - resolve publicar mais uma obra, intitulada “O Retrato”. Agatha dizia que conversara muito com uma determinada personagem durante este período... E, coincidentemente, conseguimos encontrar certas semelhanças com a personagem de nome Celia (que pensa em suicídio após ser abandonada pelo marido).


Embora “O Assassinato de Roger Ackroyd” seja um clássico, minha obra preferida de Christie é “A casa do Penhasco”, um romance policial intrigante protagonizado pelo personagem preferido de Agatha – logo, meu favorito também – o já citado Hercule. A história fala sobre dois amigos que vão passar uma temporada em um hotel na Costa da Cornualha. Lá, os amigos conhecem uma bela mulher que sempre está com sua vida – misteriosamente – em risco. Esta jovem mora numa casa próxima dali, em um penhasco. Poirot, impressionado com sua beleza, decide ajudá-la a evitar sua morte, mas será supreendido ao decorrer de suas tentativas, até o final do enredo. Sem sombra de dúvidas, magnífico.

Mas além de toda essa “paranóia literária”, o que vale ressaltar em Agatha é a forma enigmática como escrevia. Experimente ler qualquer uma de suas obras e verá que é impossível descobrir quem é o assassino, o vilão, tornando o final do conto sempre impressionante e extremamente inesperado.



Definitivamente, uma Rainha!

2 comentários:

CELSO MATHIAS disse...

TE CONFESSO, SEMPRE QUIS LER UM LIVRO DELA E POR ALGUM ACASO NUNCA LI. MINHA IRMÃ TEM VÁRIOS E VC ME ATIÇOU A CURIOSIDADE!!

LI ANO PASSADO A BIOGRAFIA ESPETACULAR DE SIDNEY SHELDON( CONHECE??) AUTOR DE CLÁSSICOS DA TV COMO JEANNIE É UM GÊNIO.

TE CONFESSO QUE ACHAVA MEIO PASTEURIZADA A AGATHA, MAS ACHO QUE FOI PURO PRECONCEITO.

FUI PESQUISAR E A RELAÇÃO DE TÍTULOS É ENORME E MUITO MAIOR QUE SUPUNHA!!

PELO QUE LI O QUE VC ESCREVEU, VEJO CADA VEZ MAIS QUE CADA UM VEM A ESSE MUNDO COM UMA MISSÃO MESMO. TUDO NA VIDA DELA SE MISTURA COM O QUE ELA ESCREVEU!! INCRÍVEL!!

BJS

Heloisa Ikeda disse...

Uaaal =O'

Eu confesso que só sconhecia essa autora ai de nome. Nunca tinha ouvido nem lido mais nada sobre ela, tbm unca me interessei em procurar.

Mas agora além de saber um pouco sobre ela fiquei muito curiosa pra ler alguma de suas obras rs... Parece bem o tipo de ficção com suspense que eu adoro :D

Vla pela dica ;)

bjs