19 de setembro de 2009

Facetas

Eu quero desmontar toda a mulher que as pessoas constroem a meu respeito. Desfragmentar, criar, brincar com as peças...como um jogo de quebra cabeças. Talvez porque eu queira tudo com extrema intensidade, quero errar pra depois
construir o imaginário das pessoas, de forma fantasiosa. Hoje é tudo tão simples...Temos uma indústria, a beleza serena, tudo côr de rosa. A graça burlesca é justamente a satirização, a "farsa" para esta nossa comédia de costumes.

Não quero um vácuo emocional, espiritual; não quero perder a esperança, falando de forma mais poética. Por isto, se o culto ao corpo existe, vamos então satirizar este invólucro, tornando-o o próprio sentido da vida e nos divertindo com isso? Com o fim do ideal da busca do equilíbrio entre corpo e mente, nos restou apenas o corpo. Somos sim, burlescos, caricatos, cômicos, facetos; e nossa beleza sabe disto.

O que nós vemos é o que sentimos, mas não necessariamente o que somos.

4 comentários:

CELSO MATHIAS disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
CELSO MATHIAS disse...

Roberta,
Esse texto foi lá do "útero" hein?
" O que nós vemos é o que sentimos e não necessariamente o que somos". FANTÁSSSSTICO!!
Vc sabe que eu passei uma situação há uns 3 anos atrás que é justamente isso que vc escreveu??!!
Essa frase está claramente exposta na idéia do "mito" que Jung descreveu, pensa bem se não o é?
O Mito é aquilo que desejamos e queremos enxergar, refletir em nossas fantasias, mas segundo Robert Johnson que escreveu os livros HE, SHE, WE...nunca devemos transformar o mito em realidade física, deixando-o apenas no imaginário. Há alguns anos eu fiz a BESTEIRA de tentar trazê-lo para a realidade, um mito que eu havia construído sobre uma pessoa que havia conhecido e me inspirado muito em minha arte, ou seja, caí do cavalo literalmente.Essa brincadeira da fantasia do corpo é que vale, afinal essa "carapaça" irá ficar aqui, porque não brincar com ela???
Breve vou disponibilizar de novo os comments em meu blog...BJS!!!

CELSO MATHIAS disse...

Complementando apenas hoje:
Só acho que nunca a imagem deve ser mais do que o intelecto ou a essência e sim uma brincadeira. Têm pessoas que conheço que "infelizmente" a imagem virou mais que a grandeza do interior...UMA PENA! Pois a imagem passa, o que temos e ganhamos dentro, não!!

Vc me parece ter uma consciência bem grande sobre isso!! Não se deslumbrou(pelo menos é o que mostra no diz) e sabe curtir a beleza dos 20 e poucos numa boa!!

Aí sim dá pra brincar legal!!

Estou pensando em começar uma série que está na cabeça sobre "MÁSCARAS", um deboche sobre essas pessoas que te falei, que tanto usam máscaras que acabam as máscaras serem os próprios rostos.

Beijão!!

Mano Negra disse...
Este comentário foi removido pelo autor.