20 de agosto de 2009

Finalizando meu conceito sobre igualdade.

Ou seria ética?

E vejam só que ironia! Depois de tanto se discutir sobre a ética humana, de se falar tanto em liberdade e depois jogarmo-nos um balde frio de ditaduras, chegamos ao ponto de controlarmos nossas paixões. Não que isso seja errado, mas é o "preço" que acabamos por pagar.

Aristóteles foi ponderado. Para ele, é exatamente para tanto que a lei serve, sem que os governantes percam sua autoridade. A forma com que os conceitos da Ética de Aristóteles surgem, do contrário do que muitos pensam, não está diretamente contra o julgamento platônico, mas sim, alterada da forma como o mundo contemporâneo e democrático passara a enxergar. Afinal, ele também impede os impulsos mais primitivos do homem, seus apetites e paixões.

O princípio ético é muito forte e explica a tentativa que temos em promover o bem, que já pode partir do princípio em que o ser humano se faz capaz de conciliar interesse individual com o comunitário. O princípio de uma evolução então seria essa moderação de alguns de nossos anseios, sem que seja necessária a total privação dos mesmos em uma seguinte geração. Talvez seja realmente uma utopia essa nossa sociedade perfeita, mas também não haja a necessidade de uma coibição tão grande, em formato de leis - como percebemos no parecer de Platão. Chega a se assemelhar até mesmo á uma forma de castigo. Penso que se houver a possibilidade de uma sociedade perfeita, poderá levar milênios (e claro, se o planeta Terra não for destruído antes).

Vamos levando as coisas... e mudando outras. O que é necessário é a valorização de onde vivemos e da inteligência humana que é magnífica, mas parece que a maioria de nós não está ciente disso. Aristóteles pode ter sido a resposta ao que Sócrates negou-se a responder e que Platão filosofou, para que não possamos pensar num futuro muito distante, mas no bem estar de nosso presente, sem que se prejudique o próximo. Assim, para o bom convívio de nossa geração, o real deve moldar-se a Lei para que seu cumprimento seja possível a todos. Controlando nossas paixões, pois delas derivam-se tanto virtudes quanto vícios.

1 comentários:

CELSO MATHIAS disse...

Eu acredito que o fim da humanidade é o amor e a felicidade perfeita.
T~em pessoas que evoluem muito intelectualmente e pouco moralmente e vice-versa. O ideal é em cada encarnação o indivíduo trabalhar as suas deficiências.
Você vê que existem pessoas as vezes analfabetas mas de um discernimento entre o bem e o mal impressionante, enquanto existem pessoas com faculdade em Harvard que não conseguem olhar para o próprio nariz sobre o mal que muitas das vezes fazem ao mundo.
Portanto mais saudáveis e direcionadas ao "bem" serão aquelas onde o equilíbrio intelecto e moral for cada vez mais próximo ao AMOR.

PEQUENOS GESTOS DE AMOR EM NOSSO DIA A DIA JÁ NOS FAZ APTOS A SERMOS INDIVÍDUOS PERTENCENTES AO FUTURO DO BEM.
Adorei seu comentário sobre a minha poesia, vindo de vc mais ainda.
Um ótimo final de semana pra vc SER PENSANTE!!!