14 de janeiro de 2008

Espelho

Tu sabes bem
E eu também
De toda amargura.
E os devaneios que se foram sem que notássemos
Temos os mesmos planos
Encontremos a cura!
A sua dor, é a minha dor
Sem que possa saber
Teu sentimento posso conhecer
Fico padecendo quieta
Juntamente com a saudade pervertida
A sua dor quer me envenenar
Mas não te culpo, aceito, corrompida
Não somos apenas amantes...
Temos manchas
Embora mesmo distantes.









0 comentários: