27 de janeiro de 2008

Mãe Terra

É de ti d'onde vim e para ti vou voltar
E cá estou, com tudo o que me deste
Respirando a cada momento
Grata ao que me fizeste

Como filha não sei como retribuir
Sacrifício pode manchar teu nome
A vida aqui deve começar a fluir
Para no mínimo, saciar tua fome

Ar, água, terra, fogo
Minha querida mãe, sei que choras escondida
Mas nossa raça parece estar perdida

Embora abalada, a senhora persiste forte.
Todo o vosso ciclo é muito maior que o nosso
Deusa que devolve a vida, mas também laureia a morte.

3 comentários:

Juh Pagani disse...

Adoro textos =)
Auguns falam por mim

bjuuu

;*

Tαα Cristinα disse...

Dando um olhadinha ..
Adoreii o Blog
Beiijos
;*

Carla Moraes disse...

Oi tudo bem?
Te indiquei a um prêmio no meu blog, tá?

Beijo!