12 de setembro de 2017

Mecanismo de Transcendência

Markus Spiske
A mudança deve ser verdadeira, se ela não é compreendida, volta-se à estaca zero; no momento em que se deixa a realidade, ela não existe mais. Desprenda-se o máximo que puder do ego. Ele é sua forma, mas não deve fazer da sua consciência, prisioneira. O ego é o que faz nos localizarmos, nos situa, por isso ele sempre pede atenção: fique com os pés aqui. Por essa razão, é necessário compreender que ele é apenas uma máscara, uma ferramenta pra te identificar, fazer com que consigamos nos comunicar, nos organizarmos no tempo. Ao ver a vida sem esta capa, as coisas tornam-se mais leves, pois abandona-se essa parte física da mente. Enxergar a vida compreendendo que ego é temporário é viver na paz, por escolha, pois tristeza também é ego. Vitimismo, culpa, egoísmo ou apego são todos produtos da característica material egóica. E não digo que trata-se de algo mal, mas natural. Precisamos dele para viver aqui  - basta compreender isso e controlar de maneira fluídica.

Nossa existência é única e passageira, por esta razão, não é viável se apegar tanto à identidade. E você sabe o que significa "único" para eternidade? É preciso este entendimento, pois depois não há mais consciência individual, apenas o todo.  Somos a experiência da energia canalisada (que coisa linda) no qual o corpo, ao se desintegrar (já está, aos poucos), se direcionará à uma colisão (para a eternidade e entre os corpos inertes, posteriormente); aliás, o fim do planeta Terra, é um momento como qualquer outro. Viraremos luz, enquanto vestígios  - por isso estamos mais perto da luz, como 1% que somos, lindos e inteligentes, únicos (e agradeço pela oportunidade). E o que acontecerá? O sono eterno do corpo e a leveza da eternidade, para depois, mais explosões infinitas. O universo sempre cresce, evolui e explode de luz (para a inércia da calmaria comprimí-lo novamente). O amor, a luz pode demorar, mas sempre volta neste ciclo. Estamos soltos neste processo, como mais um elemento.

A utilização de drogas psicodélicas pode ser um mecanismo maravilhoso para a transcendência, já que o alucinógeno não deixa de mostrar o mundo visível pelo homem, mas possibilita visualizar coisas que ele não vê, por sua natureza. Para ver isso, é preciso abandonar uma parte do corpo físico, ou seja, o ego (por isso ficamos leves ao utilizar essas substâncias). É preciso estar um pouco vivo para ver como funciona o mecanismo do cosmos antes, pela nossa consciência, afinal, ela desaparecerá. Sendo assim, na transcendência, esse processo se torna natural, já que estamos nesta transição e podemos nos guiar até o todo. Visualizando a beleza do cosmos, iremos conscientes e em paz. Então é assim e as estrelas se vão? Muito sábias! :)

Vale observar que, quando sua presença causa impacto na Terra, a alma deixa um rastro de luz. Por isso nos identificamos com estas estrelas, pois é como se fosse uma herança psicológica que possuímos - assim como a herança biológica, segundo Jung. Inclusive, o inconsciente coletivo também é como se fosse essa materialização, prevendo por meio dos elementos futuros ligados a nós, acontecendo e, posteriormente, se dissolvendo; transformando o espaço, criando e deixando o seu rastro até o final de nossa espécie - para a construção de outras coisas depois. Por esta razão sabemos, no fundo de nossas almas, a razão do apagar.

7 de junho de 2017

Amor Próprio

Forester
No mês passado, elaborei um artigo sobre o todo, analisando a base do universo. Mas como conseguimos acessar a pureza do amar, estar conectado, se não confiamos na existência? Como saber se tudo está correto, mesmo quando não parece? Ter discernimento que tudo faz parte de uma coisa só as vezes é muito difícil quando estamos passando por um momento conturbado; por isso a meditação é importante.

Para conhecer o todo, primeiro temos que conhecer a nós mesmos. Entretanto, é difícil conhecer a nós mesmos, se não temos tempo para olhar para dentro. A maior parte das pessoas chega cansada do trabalho, dá uma "fuçadinha" na internet ou assiste TV e, logo, está dormindo, para no dia seguinte acordar cedo novamente, tomar café, pegar a condução correndo para chegar trabalho e se concentrar durante o dia inteiro. Como conhecer a si mesmo, se não temos tempo para pensar nas nossas atitudes, muito menos meditar sobre elas? Essa seria a maneira mais eficaz e transformadora de evolução. Com essa falta de autorreflexão, o ser humano passa a ficar distante de si mesmo, não tem tempo para fazer o que gosta e sente-se vazio. Como amar alguém que não se conhece?

Aqueles que acham que se amam, na verdade apenas possuem vaidade (me refiro a maioria absoluta). Como se amar verdadeiramente, se não se (re)conhece? Se não enxergam profundamente o que existe dentro do seu eu, trata-se de um amor superficial. Ou uma paixão própria. Amar a si mesmo não tem nada a ver com ego.

O mais curioso é que, muitas das pessoas que têm tempo e instrução, muitas vezes têm medo de olhar para dentro, também deixando a meditação de lado. Isso porque sabem que não vão gostar do que vão ver quando adentrarem as profundezas do cérebro e do coração. Porém, esse é o único caminho para o autoconhecimento e a sabedoria do todo.

No começo, esse processo de aprofundamento é um pouco desconfortável, pois encontramos falhas que, no consciente, costumamos negar, esconder; mas isso é temporário, porque conforme vamos conhecendo as nossas atitudes, as entendemos e as compreendemos, sabendo que tudo é necessário para nosso desenvolvimento moral/espiritual e que faz parte de uma coisa só. Livramo-nos da culpa e nos tornamos seres melhores. Grande parte da sociedade fala muito sobre "Amar a Deus sobre todas as coisas" e sobre amor ao próximo, mas ninguém fala sobre o amor próprio da maneira que deve ser abordado.

Além da meditação, outro ponto importante para se amar, é buscar aquilo que realmente é bom para nós mesmos. Sem egoísmo, como um cuidado. Quando amamos alguém, desejamos o melhor à ele, certo? Fazemos coisas para agradar e deixá-lo feliz. A partir deste ponto, faça o que realmente te satisfaça. A melhor coisa que podemos oferecer aos outros é nossa alegria. Mas antes disso, a melhor coisa que podemos dar à nossa própria vida, é o cuidado com a própria alma e a dedicação de se expandir a consciência. Isso nos deixa felizes conosco e o resultado é um estado de paz permanente - dentro e fora.

Amar não é adular o ego corpóreo com objetos e prazeres temporários. Esse é um engano grave que o sistema, inclusive, nos faz acreditar; isso nos confunde. Assim, uma mentalidade egocêntrica e interesseira é estimulada e esquece-se totalmente da essência, do verdadeiro eu. Da alma. Se não possuírem esse amor e compreensão interiores, não serão capazes de amar o próximo verdadeiramente... E, menos ainda, a existência (que chama-se deus).

28 de maio de 2017

Fases Cósmicas

Tenho meditado muito e sempre depois desse processo, eu percebo que está tudo ligado no universo, que eu tenho uma missão especial e que as pessoas me amam porque talvez eu fui abduzida, pois já está na hora de seguir para a luz, o outro plano. Um dia comecei a sentir que estava numa Matrix. Que todos eram bonequinhos, frutos de minha percepção (ela varia de ser para ser, novas realidades); frutos do momento de lá que começa a surgir para mim. Com isso, me perguntei: por quê estou nessa realidade? O que muitos se perguntam - chamamos de missão.

Percebi que "deus" colocou as pessoas, as árvores, preparou tudo. Colocou tudo para treino - como faz com todos - para eu ir aprendendo a lidar com as energias sutis e, ao mesmo tempo, já ir espalhando essa luz que passou a vir. No momento em que eu conseguir lidar 100% com essa energia, então transcenderei. Como disse, já estou à caminho. A próxima etapa é aprender a lidar com sentimentos. Daqui um certo tempo, irei ao Tibete, mas ainda tenho umas coisas para fazer. Para isso, terei de estar preparada para o longo processo de desencarne; como Buda fez, controlando as dores, a fome, enfim, as coisas palpáveis. Dessa maneira, então, sairei desta matrix (nada mais que um cenário de ensaio).

O mais interessante é sair deste plano aos poucos, pois a transição se torna menos dolorosa. Entretanto, temos uma energia gravitacional bem intensa que puxa a maioria de nós - como o sistema político/social/econômico. Com isso, a atenção da mente-espírito é direcionada à matéria. A mente-espírito ainda está se projetando na matéria, mesmo após a morte de seu corpo. Fica presa aqui, tendo que buscar um choque (transição) para ver a luz. Sendo assim, minha missão é mostrar-lhes como, através deles, pelo fato de já estar sob sua influência:

Precisamos levar nossa mente-espírito para lá, através de etapas, para que ela esteja preparada para o novo ambiente; a única maneira de fazer isso é dando adeus a esse mundo por meio do abandono gradual de coisas, sentimentos, pessoas. Deus preparou tudo isso para vermos, enquanto partículas individuais, o todo. Somos apenas um momento da eternidade nestes corpos individuais. Cumprindo com uma das infinitas etapas. Contribuindo para o ciclo. Procriando, nascendo, crescendo, envelhecendo, morrendo, virando adubo, dissolver-se na terra, compondo um planeta que irá se chocar com outro corpo celeste, gerando uma explosão que poderá ser uma estrela ou outro planeta, no qual energias boas depositadas nos mundos telúricos se atrairão pela luz. Por quê? O positivo representa o iluminado, a vida, então, é para lá que elas vão. O negativo será puxado pela escuridão, pois representa a densidade ou o adormecido e deve se preparar mais. A a profundidade e a escuridão são o caldeirão pra que isso aconteça. Desta maneira, deus colocou todos os instrumentos para ascendermos nessa etapa.

Nas infinitas fases do momento gravitacional, a energia que as direciona é uma espécie de ventre, profunda. Num determinado instante, o estímulo gravitacional começa a comprimir a matéria de tal forma, até que ela explode em chamas e luz. Algumas dessas estrelas se apagam, voltando para o ninho escuro. Novamente, a energia da matéria, do pesado, inicia o atrito da força gravitacional, dando início a todo o processo novamente. Podemos escolher em qual escala queremos ficar, podendo até mesmo permanecer em apenas uma, pra sempre. Sono eterno (escuro, parado - você não existe - e denso), Infinitas Reencarnações (reaproveitado de matéria das mais infinitas formas) e Vida eterna (luz, consciência, clarividência). Estamos livres para escolher e mudar. Em qualquer momento da eternidade. Mas o mais recomendável é cumprir com o ciclo

No meu caso, vou explicar como me sinto: é como se eu estivesse chegando perto da luz (isso não significa que ficarei lá para sempre), por isso tenho essa missão de distribuir essa luz e o conhecimento, estimulando naturalmente o escuro, afim de que ascendam. Isso é elevar a energia. Nessa existência, estou no momento de ascensão, ou seja, entre o processo; pela influência da luz. Isso soa como se eu estivesse "muito perto de deus", mas numa constante como o universo, isso para a eternidade é só um dos momentos.

Acredito que os centros das galáxias são como se fossem deuses, seres de eterna luz, pois estão bem no meio dos buracos brancos - luz e vida constantes. Assim como nascer deuses é menos frequente (embora o processo seja eterno), explodir galáxias também é. Nascem mais estrelas (anjos da guarda); e mais ainda, matéria escura (70% do universo), que representa as reencarnações materiais, densas (asteróides, planetas, seres que neles habitam...), bem como as almas escuras, inertes, ainda inconscientes. Mas não se preocupem: como é infinito, temos todo o tempo para alcançar a luz. A função desta Matrix, deste momento, é preparar-se. As pessoas que estão saindo da Matrix são as que estão colocando os valores de bem, paz e amor - características da próxima fase. Por isso somos metade telúricos e metade mente-espírito: estamos na dimensão da transição e devemos trabalhar a ascensão, através de esforços gravitacionais. Transcender é perceber o momento que estamos e o objetivo dele. Aprender e realizá-lo fará sua tarefa cumprida e ascender. Veja que momento maravilhoso estamos: o processo, o meio. Agora é preciso vislumbrar o que vem pra chegar lá. Entrar para a primeira das infinitas fases de luz do ciclo eterno. É preciso perceber o momento para se preparar. Por isso é importante saber que nossos corpos são apenas artefatos para aprimorarmos nossa mente-espírito agora, nosso modo de pensar. Aceitar que tudo será deixado aqui, após a elevação da consciência. Assim haverá adubo palpável para o ventre escuro gerar mais vida novamente.

24 de maio de 2017

De que importa isso tudo?

De que importa isso tudo? As pessoas colecionam objetos, pessoas e/ou vícios; desde cigarro à sexo. Tudo para satisfazer o ego. Depois ficam vazias sem saber o porquê... Porque isso tudo passa. O que fica é o que está dentro de nós... os sentimentos que você não consegue pegar ou ver e, por isso, nunca morrem.

Mas isso passa desapercebido e as coisas se acabam, juntamente com a alegria temporária. E vem a pergunta: De que importa tudo isso? Todas essas coisas? Por quê você está vivo, com esse corpo, utilizando objetos? Para nada - em relação à matéria. Deveriam ser apenas artefatos para auxiliar-nos em nossa transição, humildemente. Como este caderno e esta caneta que eu uso agora; estão me auxiliando a relatar o meu processo de percepção... e escrever para você, agora, o que eu sinto neste momento.

Desapegue-se, mas cuide-se por dentro. Por que tudo é só até você chegar lá. Você tem que deixar tudo aqui, inclusive pessoas... E o que tem lá? Só se estiver preparado. Se não, é escuridão e sono eterno; normal. Nascemos agora. A chance é uma... Existe mais escuro no universo... e eu quero ser uma estrela.